A arte sempre foi a bússola do músico amapaense Chico Terra, que é um incansável militante de boas causas e que agora, após anos de pausa de shows, retorna para a noite com o show “Samba da Volta”, interpretando clássicos da música brasileira na boa companhia de artistas contemporâneos do Amapá. O show que marca o retorno de Chico aos palcos será no Sankofa, nesta sexta-feira, 11 de outubro, a partir de 21h. Ele estará no palco junto com os músicos Rudá Monteiro, Roni Moraes, Emília Borges, Leka Lens, Denilson Novo e Bruno Muniz.

Neste show, Chico Terra aproveita o que melhor conheceu e cantou em sua carreira para mostrar para o público, e o repertório escolhido com critérios sentimentais e valor crítico, passeia por um Brasil de safra rica em letras, poesias, arranjos e talento. Chico Buarque, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Taiguara, Tom Jobim, Gilberto Gil, joão Gilberto, Dominguinhos, Fagner, estão na seleção que o público irá prestigiar.

Chico compõe a prateleira de artistas que caminham na linha entre as facilidades da evolução tecnológica e a nostalgia de um tempo em que a música nacional, além de revelar o que temos de melhor no Brasil, era vitrine artística prestigiada e respeitada mundialmente. E soube administrar muito bem as modernidades, as tendências de suas lembrança e belas novidades musicais criadas atualmente, tanto que seu site de notícias hoje é um dos principais canais de divulgação da cultura e costumes do Amapá, através da página e da rádio web, levando para todo o mundo o canto tucuju.

Lá pra trás

O músico Chico Terra surgiu na infância e se moldou nas andanças. Aos 10 anos participou de um concurso de música infantil imitando o argentino Roberto Livi, e dois anos depois estudou violão com o mestre Raimundo Cândido Figueiredo, que revezava a profissão de tutor musical com a de vigilante, de quem Chico ganhou o primeiro violão. Seu primeiro show profissional foi em 1973, em Pedra Branca do Amapari, onde era operário de uma construtora. Sua passagem por Minas Gerais trouxe boas influências musicais, e de volta à Macapá, em 1982, tocou em locais celebrados como reduto da melhor música, como Lennon e Macapá Hotel.

Esta forte tendência para a música, Chico alia ao Chico Terra jornalista e fotógrafo, talento que usa para colocar a cultura brasileira e amapaense em evidência, registrar com sua câmera, e falar de gerações de músicos, de outras épocas até as atuais. E assim como a criação do site, impulsionado pelo prazer em falar e cantar nossos artistas, este show foi provocado por instinto, para chamar atenção para a atual qualidade da música consumida no Brasil, uma das razões que levam Chico a propagar músicas sem apelo comercial e midiático.

“Venho de uma geração que ouvia músicas com letras que expressavam os sentimentos, a realidade, os sonhos, o belo, que gritavam por liberdade, justiça, pelo amor, e estas canções consolidaram o Brasil como um país de boas tradições musicais. Atravesso o tempo até chegar no século 21 para ver ainda despontar excelentes músicos e artistas, criando obras maravilhosas, admiráveis, mas ao redor de tudo isso, circula com intensidade um movimento musical sem a pretensão de qualidade, mas fabricadas para alienar, não fazer pensar, e sim, insinuar. Por isso este show, para relembrar um Brasil rico musical, e mostrar que temos sim, jovens que produzem com excelência e nos fazem acreditar que podemos consumir arte de verdade”.

SERVIÇO:

Samba da Volta

Data: 11 de novembro de 2019

Hora: 22h

Local: Sankofa

Convidados:

Rudá Monteiro

Roni Moraes

Emília Borges

Leka Lenz e Denilson Novo

Bruno Muniz

Osmar Junior

Mariléia Maciel

No Fala: Amazônia de hoje, vamos saber notícias sobre projetos e eventos de bioeconomia e biodiversidade que estão acontecendo no

Wi-fi a bordo e localização da bagagem em tempo real são prioridades Luciano Nascimento Passageiros de companhias aéreas querem, cada

 RSS – Posts

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui