Israel mergulha em incerteza política

A nuvem de incerteza política que paira sobre Israel desde o início deste ano parece bem longe de se dissipar.

Preso em um entrave político desde que as eleições de setembro resultaram em empate técnico entre Benjamin Netanyahu e o centrista Benny Gantz (do partido Azul e Branco) , o país caminha para o terceiro pleito eleitoral em um espaço de meses – o primeiro ocorreu em abril.

Isso porque, na última quarta-feira, 20, Gantz comunicou ao presidente do país, Reuven Rivlin, que não conseguiu formar uma coalizão de governo. A tarefa havia sido repassada a Gantz em 21 de outubro, após Netanyahu fracassar na empreitada.

Agora, com o fracasso de Gantz, o país tem dois caminhos possíveis: Rivlin pode repassar a tarefa ao Knesset – o Parlamento israelense -, que pode apontar e aprovar qualquer líder com apoio suficiente. O segundo cenário, seria a convocação de novas eleições, o terceiro pleito consecutivo no país em poucos meses.     

Entenda o caso

Israel já passou por duas eleições somente neste ano. A primeira ocorreu em abril, quando Netanyahu, também em disputa com Gantz, conseguiu uma vitória apertada, conquistando 26,27% dos votos, contra 25,95% de Gantz.

Porém, após ser reeleito em abril, Netanyahu fracassou em formar uma coalizão de governo. Foi a primeira vez na história do país que um primeiro-ministro não conseguiu formar uma coalizão. Na ocasião, o fracasso se deu, em grande parte, por conta da decisão do líder do partido de extrema-direita Israel Nosso Lar (Yisrael Beiteinu) e ex-ministro da Defesa Avigdor Lieberman, de retirar o apoio ao Likud – partido de Netanyahu.

Após o fracasso de Netanyahu, o Parlamento decidiu, em votação, não repassar a tarefa a Gantz, mas sim convocar novas eleições, ocorridas em 17 setembro.

Desta vez, o novo pleito resultou em um empate técnico entre Netanyahu e Gantz, com nenhum dos dois atingindo o mínimo de 61, dos 120 assentos do Knesset, necessários para formar um governo.

O presidente Rivlin, então, atribuiu novamente a Netanyahu a tarefa de formar uma coalizão de governo para encerrar o entrave político. Ele teve 28 dias para cumprir a tarefa, mas pela segunda vez não obteve êxito. Desta vez, Netanyahu culpou Gantz pelo fracasso, acusando o rival de promover um “bloqueio múltiplo” à possibilidade de um governo de união, com divisão partilhada. Gantz, no entanto, já havia informado que não pretende fazer aliança com um partido, cujo líder enfrenta acusações sérias de corrupção.

Após Netanyahu comunicar o fracasso, a missão foi repassada a Gantz, que teve o mesmo prazo, mas também fracassou.

Agora, os 120 membros do Parlamento, incluindo Gantz e Netanyahu, terão um prazo de 21 dias para reunir apoio de pelo menos 61 parlamentares. Aquele que lograr em obter esse apoio terá, em seguida, mais 14 dias para criar um, governo de coalizão. Se nenhum parlamentar for bem sucedido, o país terá sua terceira eleição, que pode ocorrer em março de 2020.

A corrida de Netanyahu contra o relógio

O tempo não está a favor de Netanyahu. O primeiro-ministro, que atualmente governa de forma interina, foi indiciado formalmente nesta quinta-feira, 21, por suborno fraude e quebra de confiança em três processos de corrupção.

Segundo noticiou o jornal israelense Haaretz, com isso, Netanyahu se torna o primeiro líder do país em exercício a ser indiciado.

Como primeiro-ministro, Netanyahu tem imunidade parlamentar, mas o entrave político coloca em xeque essa posição. Os processos enfrentados por Netanyahu são:

Em outubro, em uma audiência de 11 horas, a defesa de Netanyahu tentou, sem sucesso, convencer o procurador-geral Avichai Mendelblit a retirar as acusações contra Netanyahu. Agora, o primeiro-ministro tem dois desafios pela frente: lutar para permanecer no poder, ao mesmo tempo que enfrenta os processos de corrupção que minam sua credibilidade levam ao isolamento político.

Netanyahu vem intensificando seu discurso, adotando um tom mais alarmista contra Gantz. Recentemente, em discurso em uma reunião de emergência convocada pelo Likud, ele acusou Gantz e seu colega de partido, Gabi Ashkenazi, de angariarem apoio de parlamentares que, segundo ele, “apoiam organizações terroristas” – uma referência à Liga Árabe, ala parlamentar composta por legendas árabes.

Ele afirmou que se Gantz conseguir formar um governo de coalizão com o apoio da Lista Árabe, seria um “ponto de ruptura na história” de Israel, que poderia “destruir o país”.

Após a declaração, o Azul e Branco divulgou uma nota, na qual afirmou que o primeiro-ministro interino advoga em causa própria. “Como sempre, Netanyahu está preocupado apenas com Netanyahu”, disse o partido.

887 visualizações

804 visualizações

475 visualizações

246 visualizações

177 visualizações

9 comentários

3 comentários

3 comentários

3 comentários

2 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *