Beach Soccer: Português naturalizado se prepara para duelo com Brasil

Crédito: Reprodução: Instagram/ Flamengo Beach Soccer

O goleiro Elinton Andrade é meio português e meio brasileiro. Mas para ele, essa divisão não vai existir quando entrar em campo para enfrentar o Brasil pelo Mundial de Beach Soccer. O sorteio dos grupos da competição foi particularmente cruel com o luso-brasileiro. Brasil e Portugal irão se enfrentar ainda na primeira fase da competição. “Nasci no Brasil, moro no Brasil e jogo no Brasil, mas é o hino de Portugal que vou defender”, disse Andrade.

Andrade é hoje goleiro do time de Beach Soccer do Flamengo. Aos 40 anos de idade, o atleta, que nasceu em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, esbanja boa forma. Ele já teve experiências em futebol de campo, mas foi na areia que ele decidiu se manter. Em entrevista dada ao site oficial da FIFA na internet, Andrade abriu o coração sobre o tão aguardado jogo contra o Brasil pelo Mundial. Seja como for, para ele não terá lealdade dividida. “Portugal é o país que nasci pra lutar”, disse ele.

Com uma carreira meteórica, Andrade chamou a atenção de vários clubes ao redor do mundo. Aliás, chamou atenção também das Seleções do Brasil e de Portugal. Com as duas equipes disputando o jogador, ele teve que fazer uma difícil escolha. Os europeus levaram a melhor e Andrade defende as cores portuguesas desde 2013. Por lá, já foi Campeão Mundial de Beach Soccer em 2015. Na ocasião, não chegou a enfrentar o Brasil.

Embora tenha escolhido defender a camisa de Portugal, Andrade deixou claro que não tem nenhum problema com o Brasil. Ele explicou os motivos para escolher o país ibérico.”Não havia um único fator (para escolher Portugal). Eu tinha muitos motivos, e nenhum deles envolvia algo negativo no que diz respeito ao Brasil ”, afirmou Andrade.

“Do ponto de vista do futebol, o Brasil já tinha Mão, assim como outros goleiros. Embora eu pudesse ter competido com eles pela vaga, as coisas eram diferentes em Portugal. Parecia que eu poderia jogar mais com eles e ajudá-los mais. Eles também tinham mais jogos alinhados e estavam prestes a sediar a Copa do Mundo”, explicou.

Ele também disse que a escolha não teve apenas motivos esportivos. “No nível pessoal, em 2006 eu não joguei e vivi com uma família em Braga que me ‘adotou’ enquanto treinava e esperava meu passaporte português. Em troca, eu os ajudei a trabalhar nas suas terras. Assim, Portugal me deu muito mais do que futebol, e isso definitivamente desempenhou um papel fundamental na minha decisão”, completou Andrade.

Brasil e Portugal se enfrentam pelo Mundial de Beach Soccer neste domingo (24), às 21h. As duas equipes venceram em suas estreias. A partida é a mais esperada desta primeira fase do torneio. Dessa forma, espera-se que o mundo do Beach Soccer pare pra ver duas das maiores campeãs mundiais da modalidade.

Mas os brasileiros não poderão contar com o apoio do Andrade. “Tenho o mesmo desejo de vencer o Brasil que qualquer outro time. Eles têm seus objetivos e nós temos os nossos”, garantiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *