Gessica Kayane tem 7,8 milhões de fãs no TikTok e quase 10 milhões no Instagram. G1 publica entrevistas com mulheres que estão fazendo sucesso com humor em vídeos curtos. Gkay
Reprodução/Instagram
Gessica Kayane, a Gkay, já fazia sucesso com vídeos de humor no Youtube, quando entrou no Tik Tok pela primeira vez. O começo no app, em 2018, foi para uma parceria comercial, que acabou não vingando.
“E aí quando no final de 2019, começo de 2020, foi que eu comecei a usar e foi aí que descobri esse novo mundo, porque acho que o Tik Tok tira um pouco do peso do Instagram. Você tem mais liberdade lá. Você não se cobra tanto. Me sinto mais solta.”
Além do sucesso nas redes, Gkay preapra o lançamento de dois filmes: um deles com Tirulipa. Em janeiro de 2021, ela também grava a nova temporada da série “Os Roni”.
Mas ela garante que não deixará de lado os vídeos nas redes sociais. “Da internet, eu não saio. É de onde eu vim, amo fazer demais e é meu lugar. Sempre vou estar ali que é o que eu sei fazer de melhor.”
O G1 publica nesta semana entrevistas com mulheres que estão fazendo sucesso com humor em vídeos curtos nas redes sociais.
Mulheres que estão fazendo sucesso com vídeos de humor
“Acho que lá é como se fosse mais uma brincadeira. O Instagram é como se fosse meu trabalho real e o TikTok é como se fosse assim meu lazer, sabe”, analisa a humorista de 27 anos.
Só em 2020, entre maio e outubro, Gkay ganhou 5,4 milhões de seguidores na plataforma, saltando de 2,4 milhões para 7,8 milhões. Ela atribui parte desse crescimento à quarentena:
“Foi um momento que todo mundo se voltou bem mais para o digital, ficou sendo nossa única opção, digamos assim, e as pessoas estavam sim procurando mais conteúdo de humor, até pelo momento que a gente tava vivendo, era meio que uma válvula de escape.”
De olho na nova audiência e aproveitando o período em casa, Gkay conta que passou a fazer mais postagens diárias. “Até porque estava mais tranquila, tinha mais tempo livre, o conteúdo era mais orgânico”, explica ela.
Nem tudo é piada
Gkay
Reprodução/Instagram
Enquanto acumulava seguidores no Tik Tok e mostrava vídeos divertidos, no Twitter, Gkay desabafava sobre os prós e contras da internet.
“A internet tem um lado muito bom, que é a oportunidade, ela é muito democrática, me abriu muitas portas pra tudo o que estou fazendo hoje. Só que ao mesmo tempo, é um ambiente tóxico.”
“A internet é um ambiente que muitas vezes você se cobra muito, você se compara muito, você fica mais ansioso. Às vezes você quer fazer coisas no seu tempo, mas na internet tudo é mais rápido, mais acelerado”, explica.
“Às vezes você fica olhando vidas perfeitas, porque na internet a vida de todo mundo é boa, é incrível. E às vezes a gente fica pensando ‘tá, mas porque a minha não é?’ ou então ‘por que não sou assim?’.”
“É um ambiente que é muito bom e traz muitas oportunidades, você precisa tomar muito cuidado com o que você faz, assiste, consome porque pode ser muito prejudicial.”
Para não deixar que o lado negativo se sobressaia ao positivo, Gkay tem acompanhamento de um terapeuta. “Mas isso não de hoje, já faz um tempo”, explica.
“Graças a Deus a terapia me ajudou muito. Principalmente na questão da projeção, na questão de como receber essa enxurrada de projeção e visibilidade e de opiniões sobre minha vida, opiniões que muitas vezes não são pedidas, mas que sou obrigada a receber.”
Descobertas sobre o humor
Nas mesmas plataformas que Gkay recebe opiniões que não são pedidas, ela também vê que, com seu humor, transforma a vida de muitas pessoas que estão passando por períodos difíceis.
“Antes eu recebia essas mensagens e amava, mas não entendia tão bem”, confessa Gkay. Mas ela conta que sua compreensão mudou após morte de seu pai no réveillon de 2019.
“Foi uma semana horrível, a pior semana da minha vida. E lembro que eu tava rolando meu feed e cai num vídeo do Tirulipa e lembro que eu ri muito.”
“Naquele momento de caos, de tristeza profunda, naquele momento tão ruim, foi um vídeo do Tirulipa que conseguiu me arrancar um sorriso.”
“Ali eu percebi o poder do humor, eu percebi que o trabalho da gente não é só um vídeo, um meme, não é só isso. É algo muito maior, é algo que de fato está ajudando as pessoas, que está transformando vidas e contribuindo para a vida das pessoas.”