Nesta quarta-feira (21), o Departamento Federal de Investigação (FBI) e a Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos afirmaram que o Irã e a Rússia obtiveram informações dos eleitores norte-americanos. Essa seria a primeira evidência concreta de que os dois países estão tentando influenciar a eleição presidencial que acontecerá no dia 3 de novembro. Segundo as organizações, o Irã teria usado os dados para enviar e-mails falsos e intimidadores dizendo para as vítimas do ataque votarem no presidente Donald Trump.

O jornal norte-americano New York Times afirmou ter tido acesso a uma dessas mensagens, que sugeria ter sido enviada pelo grupo de extrema-direita Proud Boys e dizia “vote em Trump no dia das eleições ou nós iremos atrás de você”. Uma análise mais aprofundada do e-mail indicava que ele havia saído de um servidor na Estônia. Os diretores do FBI e da CIA, respectivamente Christopher A. Wray e John Ratcliffe, esclareceram que as informações sequestradas pelo Irã e pela Rússia eram em sua maioria públicas, como nomes, cadastros em partidos políticos e e-mails. Segundo eles, não há evidências de que os hackers possam ter interferido nos votos que já foram feitos até agora.

*Com agências internacionais