A soltura do megatraficante do PCC André do Rap impactou as autoridades da Itália e fez com que parte das investigações contra a máfia italiana ‘Ndanghretta começasse do zero. Essa é uma das conclusões da jornalista do Núcleo de Jornalismo Investigativo da Itália, Cecilia Anesi, que há anos faz reportagens sobre o crime organizado italiano. Em entrevista à Jovem Pan, a repórter relatou que a notícia da liberdade do traficante foi considerada péssima pelos investigadores. André do Rap exercia um cargo de liderança importantíssimo no PCC: Ele era responsável por fazer a ponte entre a facção e a máfia italiana ‘Ndranghetta, negociando e enviando toneladas de cocaína para a Europa pelo Porto de Santos, no litoral paulista.

E essa relação entre os dois grupos criminosos é antiga. Segundo Cecilia Anesi, há evidência de que na década de 1990 líderes do narcotráfico italiano já estavam no Brasil organizando carregamentos de cocaína. O grupo criminoso começou a ganhar dinheiro com sequestros relâmpagos de pessoas ricas. Anos depois, a máfia passou a investir no tráfico de drogas. A ‘Ndanghreta não é tão famosa quanto a máfia siciliana Cosa Nostra, mas, hoje em dia, é considerada pelas autoridades italianas muito mais influente no mundo.

*Com informações do repórter Leonardo Martins