O delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Ruy Ferraz Fontes, afirmou que a polícia do Paraná se confundiu e que o comerciante Paulo Cupertino, assassino do ator de Chiquititas, Rafael Miguel, e dos pais deles, não foi preso. “Num primeiro momento, a polícia local confirmou, dizendo que estava com a PM [Polícia Militar]. Encaminhamos o mandado para a região. Quando começamos as tratativas para trazê-lo [para São Paulo], passaram a informar que a PM não tinha apresentado. Houve algum equívoco que levou a essa repercussão”, disse à Jovem Pan. Ainda na manhã desta quarta-feira, 28, foi divulgada à imprensa a informação de que Paulo Cupertino havia sido preso no interior do estado do Paraná.

Ele está foragido desde junho de 2019, quando atirou 13 vezes contra Rafael e seus pais, na zona sul de São Paulo, e fugiu. O comerciante não aceitava o relacionamento de sua filha, Isabela Tibcherani, à época com 18 anos, com o ator. Nesta segunda, a Polícia Civil do Paraná descobriu que Paulo Cupertino estava usando uma identidade falsa, no nome de Manoel Machado da Silva, para se esconder no estado. Segundo a polícia paranaense, o comerciante teria apresentado outros documentos falsos a um funcionário público da Prefeitura de Jataizinho para conseguir o documento falso. Desde julho deste ano, Cupertino estava na lista de procurados pela polícia de São Paulo.