Um padre ortodoxo foi ferido por um tiro por volta das 16h (horário local, 11h de Brasília) deste sábado (31) enquanto fechada a sua igreja na região de Lyon, na França. De acordo com a imprensa francesa, um homem abriu fogo duas vezes antes de fugir. Ainda não há informações sobre o estado de saúde da vítima. O Ministério do Interior relatou uma intervenção das forças de segurança no 7º bairro de Lyon e pediu à população que evite o setor Jean-Macé. Mais informações em instantes. 

Semana turbulenta

Na tarde da última quinta-feira (29), o presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou que apesar de estar sob ataque, o país não cederá ao terrorismo. A declaração foi feita durante um discurso em frente à Basílica de Nice, onde um homem armado com uma faca matou três pessoas na manhã do mesmo dia. Uma das vítimas era a brasileira Simone Barreto, que vivia no país há 30 anos. Além da tragédia na igreja cristã, o dia também foi marcado pela prisão de um homem que portava uma lâmina em Lyon, pela morte de um outro homem que ameaçou pessoas com uma arma em Avignon e por um ataque ao consulado da França na Arábia Saudita.

Após o ataque em Nice, Macron anunciou que sete mil militares vão fazer o patrulhamento nas ruas para a Operação Sentinela, com o objetivo de proteger locais de culto e escolas. O país vai celebrar o Dia de Todos os Santos neste domingo (1º). A França monitora, atualmente, oito mil pessoas que estão cadastradas no arquivo de alertas para a prevenção da radicalização terrorista, mas nenhum dos responsáveis pelos últimos atentados estava nesta lista.