Pajé Guerreiro Bento, como era conhecido entre os fiéis, foi preso depois de ser acusado de cometer abusos sexuais durante atendimentos espirituais. Segundo a polícia, o acusado atuava há 8 anos como guia espiritual e não tinha ligação com nenhuma religião. Os encontros semanais eram feitos na casa de fiéis em diferentes bairros da capital paulista. As vítimas disseram que foram beijadas e tiveram as partes íntimas tocadas pelo acusado.

A mãe de uma delas relata que a filha chegou a ser ameaçada após os abusos. O pajé realizava, em média, 100 atendimentos por dia. A policia chegou até o acusado depois de três mulheres denunciarem o líder espiritual. A delegada que cuida do caso acredita que outras vítimas ainda podem aparecer. Ainda segundo Dannyella Gomes Pinheiro, o guia espiritual nega as acusações. O suspeito teve a prisão temporária decretada até que as investigações sejam concluídas.

*Com informações da repórter Caterina Achutti