Um homem detido na noite deste sábado como suspeito de ser o responsável pelo atentado que feriu um padre ortodoxo em Lyon, na França, foi liberado hoje por falta de provas, segundo divulgou o Ministério Público da cidade. O preso foi localizado próximo à igreja ortodoxa grega onde aconteceu a ação e correspondia às descrições de testemunhas sobre o autor da ação. “No estado atual das investigações, não há provas que o impliquem na prática dos atos”, indicou o Ministério Público. O homem, conforme ficou comprovado, era um morador de rua e não tinha qualquer arma consigo no momento da abordagem feita pelos policiais. Além disso, os promotores avaliaram que o estado mental do suspeito é incompatível com o do detido, que foi encaminhado para um hospital psiquiátrico.

A Procuradoria Antiterrorista, diferente do que aconteceu com os últimos casos na França, não assumiu o caso, o que indica que a tese de um ato de ódio está descartada. Oficialmente, no entanto, os investigadores admitem que todas as hipóteses estão sendo avaliadas. O crime, neste momento classificado como tentativa de homicídio, aconteceu dois dias depois que três pessoas – entre elas uma brasileira – serem assassinadas em um ataque na Basília de Notre-Dame, em Nice. Por causa desta ação, o governo da França elevou o alerta de terrorismo em todo país para o nível máximo.

*Com Agência EFE