♪ Dois anos após editar o single Paiol, apresentado em junho de 2018, a cantora e compositora carioca Elisa Fernandes lança o primeiro álbum.
Com repertório inteiramente autoral, o álbum Elisa alinha oito músicas. Quatro – Orquestra, Sinais e Outra vez, além da balada Paiol – já foram previamente reveladas em singles ao longo desses dois anos.
As novidades são Roseira, Muro (música composta por Elisa a partir de verso de Pedro Gabriel, “Saudade é te ver sentada onde não te vejo mais” ), Sem saída e Voltei, parceria da compositora com Matheus Prevot.
Gravado com arranjos e produção musical de Mário Wamser, nos estúdios Ouvido em Pé e MiniStereo, o disco Elisa sintetiza a caminhada e obra autoral da artista, residente na cidade do Rio de Janeiro (RJ) desde que nasceu, em 1983.
Atualmente com 37 anos, a cantora começou se mostrar profissionalmente como compositora aos 28 anos. Integrante do coletivo carioca de compositores Nós de Cabrália, grupo formado em 2012, Elisa Fernandes costuma se apresentar como afilhada artística de Monarco, compositor da Velha Guarda da Portela. É que a cantora frequenta rodas e escolas de samba, tendo ganhado a admiração do bamba.
Contudo, o álbum Elisa gravita mais em torno da música rotulada como MPB do que do samba. Angela Ro Ro, Chico Buarque, Chico César, Gilberto Gil, Paulinho da Viola e Sandra de Sá são nomes elencados como referências da artista, que dedica o álbum Elisa à avô de 91 anos, Maria Emília.
Mimi, como é chamada no círculo familiar, foi quem matriculou a neta nas aulas de violão, dando de certa forma início a uma trajetória musical que culmina, décadas depois, com a edição do álbum Elisa.