Na véspera da eleição, Donald Trump e Joe Biden concentram os esforços na Pensilvânia, que deve ser um dos mais decisivos da disputa. Em 2016, o republicano venceu por menos de um ponto percentual no estado. Além disso, Trump vai ao Michigan e a expectativa é que Biden faça uma parada de última hora em Ohio. Neste fim de semana, o republicano intensificou o ritmo. Só neste domingo, ele fez comícios em 5 estados: Michigan, Iowa, Carolina do Norte, Geórgia e Flórida.

Trump não quer se tornar o primeiro presidente que não consegue ser reeleito desde George Bush em 1992. As pesquisas mostram Biden mantendo a liderança geral, mas com aperto maior em estados-chave — como Pensilvânia e Flórida. No Michigan, Trump afirmou que o oponente “passou 47 anos terceirizando empregos, abrindo fronteiras e sacrificando o sangue e o tesouro americano em guerras internacionais sem fim”.

Ao lado da esposa, Biden começou o domingo assistindo à missa na igreja católica perto de sua casa em Wilmington, em Delaware. Depois, ele realizou eventos na Filadélfia, maior cidade da Pensilvânia. “Em dois dias, podemos acabar com um presidente que falhou em proteger a nação, atiçou as chamas do ódio, jogou gasolina em todas as oportunidades que teve”, disse Biden.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni