Após uma intensa corrida eleitoral, esta terça-feira, 03, será de espera para Donald Trump e Joe Biden. Assim como durante quase toda a campanha eleitoral, Joe Biden lidera as pesquisas e chega ao dia da eleição com uma vantagem de 8,4 pontos percentuais. Esta margem é mais que o dobro de pontos que Hillary Clinton tinha sobre Donald Trump em 2016. O atual presidente, no entanto, reforça a retórica de que as pesquisas são falsas, já que, nas eleições passadas, as enquetes mostravam a democrata a frente do pleito. Até agora, as pesquisas mostram que Joe Biden desponta em 10 dos 13 estados considerados cruciais. Nesta terça-feira, o atual presidente dos Estados Unidos e candidato à reeleição vai passar o dia na Casa Branca, onde está prevista uma festa inclusive. Já o local de discurso de Biden também está preparado. O democrata estará na Pensilvânia, onde nasceu, aguardando o resultado.

O tom dos discursos de Trump e Biden nos últimos eventos manteve o que se viu ao longo das campanhas. Em Ohio e na decisiva Pensilvânia, Joe Biden reforçou os ataques ao rival, afirmando que agora o país tem a chance de “retirar um presidente que falhou em proteger a nação” contra a pandemia da Covid-19. O democrata também citou o fato de Trump ter insinuado que demitiria o diretor do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, Antony Fauci. Em seguida, o candidato prometeu contratar o doutor Fauci e demitir Donald Trump.

Ao mesmo tempo, Donald Trump manteve o ritmo intenso e visitou quatro estados: Carolina do Norte, Michigan, Wisconsin e também a Pensilvânia. Como o voto é facultativo nos Estados Unidos, o republicano reforçou o discursos para a população comparecer as urnas. Ele também criticou o rival e reiterou que caso o democrata assuma a casa branca, ele irá acabar com a economia do país. Em comício, Trump garantiu aos eleitores que irá conseguir a vacina contra o coronavírus e, dessa forma, retomará o mais rápido possível com a economia. Outro ponto que o republicano reforçou é a possibilidade de fraude eleitoral, isso porque alguns estados podem contar os votos recebidos pelo correio dias após eleição. Ele considerou ” terrível” não saber o resultado exato na noite da eleição e disse que, caso isso aconteça, acionará os advogados.

*Com informações da repórter Camila Yunes