O governador da Pensilvânia, Tom Wolf, do Partido Democrata, classificou o processo movido pela equipe da campanha do republicano Donald Trump para parar a contagem de votos até que haja “transparência significativa” para que ela ocorra “de acordo com a lei” como “vergonhoso” na tarde desta quarta-feira, 4. Segundo comunicado do vice-diretor da campanha de Trump, Justin Clark, os observadores republicanos não tiveram permissão para se aproximar a menos de sete metros das urnas de votação e conferir os votos. Além da Pensilvânia, processo similar foi movido pela campanha de Trump no estado do Michigan. 

 “Isso é simplesmente errado. Vai contra os princípios mais básicos da nossa democracia, tira os direitos de todos os cidadãos norte-americanos votarem e escolherem antecipadamente”, disse o político em coletiva de imprensa. Ele afirmou, ainda, que o estado batalha para que todos os funcionários eleitorais se sintam livres para fazer os próprios trabalhos sem medo, sem intimidação e sem ataques. “Essas tentativas de subverter o processo democrático são absolutamente vergonhosas”, garantiu o democrata. Ele falou, ainda, que vai “batalhar para proteger” o voto de cada eleitor. “Vou fazer tudo no meu poder para ter certeza de que todos os votos contam”, finalizou.