Donald Trump venceu as eleições presidenciais no estado da Flórida, conforme as projeções da mídia norte-americana apontaram na madrugada desta quarta-feira (4). Segundo a agência de notícias Associated Press, dos Estados Unidos, o republicano conquistou 51,25% dos votos no estado, contra 47,85% do democrata. Apesar da diferença com o seu opositor Joe Biden parecer pequena, ela é representativa na Flórida, onde as vitórias costumam ser decididas por margens ainda menores.  Tudo indica que o apoio dos latino-americanos, que vivem principalmente em Miami, foram fundamentais para esse resultado.

À primeira vista, parece estranho o fato de famílias venezuelanas e cubanas serem favoráveis à reeleição do presidente, que nos últimos quatro anos de seu mandato implementou rígidas políticas contra a imigração e os imigrantes. No entanto, pesa o fato de que muitos desses eleitores se posicionam como contrários à esquerda, que domina os seus países de origem. Dessa forma, as duras críticas e imposições que Trump fez ao socialismo na Venezuela e em Cuba são vistas com bons olhos por essas pessoas. Ao mesmo tempo, Biden não conseguiu conquistar o mesmo apoio que Hillary Clinton teve dos latinos da Flórida em 2016.

Na terça-feira (3), Biden chegou a dizer durante uma passagem pela Flórida que se ganhasse no estado, ganharia as eleições. O democrata também falou diretamente com os haitianos que, para ele, poderiam sozinhos mudar o rumo da corrida presidencial. Isso se deve ao fato do estado conceder 29 pontos do Colégio Eleitoral. Como essa pontuação acabou indo para Donald Trump, as eleições como um todo se tornaram ainda mais acirradas, o que aumentará a espera por um resultado definitivo.