Começou o segundo lockdown na Inglaterra, como já estava claro que aconteceria há várias semanas. O governo conservador resistiu o quanto pôde, mas acabou atropelado pela realidade — não foi possível controlar a Covid-19. A partir desta a orientação para os ingleses é: fique em casa. A polícia, inclusive, já avisou que será mais rígida na fiscalização dessa vez. Bares, restaurantes, cinemas, academias, museus e todo o comércio não-essencial está fechado. Sair só está permitido para comprar comida ou remédio.

Escritórios também seguem fechados, mas a verdade é que poucos tinham retomado a rotina desde a primeira quarentena. Viagens à lazer estão proibidas. Somente os deslocamentos à trabalho podem ser realizados. As escolas e universidades seguem abertas — assim como a indústria, que vai manter suas atividades durante esta quarentena. Boris Johnson confirmou que este segundo lockdown vai terminar em 2 de dezembro, só que ninguém acredita muito nisso.

Só na quarta-feira (4), o Reino Unido registrou quase 500 mortes por Covid-19 em 24 horas — com cerca de 25 mil novos casos da doença. O que está acontecendo agora é que os casos estão estabilizados em um patamar alto enquanto as mortes e internações sobem em ritmo acelerado. Com o novo lockdown, o PIB britânico deve sofrer contração de 2% no último trimestre. O ministro das Finanças, Rish Sunak, já estendeu o programa que paga salários da iniciativa privada e a expectativa é de uma nova prorrogação até o meio do ano que vem. Custa muito caro, mas não há alternativa para fazer com que as pessoas fiquem em casa.

Por isso, o Banco Central da Inglaterra anunciou um novo pacote de estímulo de 150 bilhões de libras. Simplificando bastante, os britânicos estão imprimindo dinheiro como nunca — essa nova rodada será do equivalente a R$ 1,1 trilhão só de dinheiro criado por meio do chamado quantitative easing. Um episódio do podcast Londres Real, da Jovem Pan, chamado Pecado Capital, em 19 de junho explica essa história toda. Ele está disponível na plataforma Panflix e nos aplicativos de música. Os britânicos zeraram a taxa básica de juros e estão imprimindo dinheiro para superar a pandemia. E mesmo assim, todos já sabem que muitas dificuldades econômicas estão pela frente.