G1 testa nova geração de consoles da fabricante americana, que vai ser lançada no país no dia 10 de novembro. Xbox Series S, mais barato que o Series X, é o grande trunfo da Microsoft; G1 jogou
A nova geração de consoles da Microsoft, os Xbox Series X e Series S, vai ser lançada no Brasil na próxima terça-feira (10).
Depois de alguns dias de testes com os dois aparelhos, emprestados pela fabricante ao G1, fica claro que o grande trunfo da empresa está na versão menos potente – mas consideravelmente mais barata.
O Series S não tem o poder de processamento ou o potencial de armazenamento do carro-chefe da nova linha.
Mesmo assim, mais do que compensa as fraquezas com uma grande diferença no preço e uma performance que não fica tão atrás – pele menos não para justificar os R$ 1.800 entre os valores sugeridos para o Series X (R$ 4.600) e o Series S (R$ 2.800).
X vs. S
O salto de qualidade dos novos consoles é considerável na comparação com o Xbox One.
Com maior poder de processamento, o Series X justifica sua posição de versão principal da nova geração da Microsoft com imagens em 4K e uma taxa elevada de frames por segundo, o que ajuda na fluidez da experiência do jogador.
O console também facilita a vida do usuário que não quer se preocupar com espaço para todos os seus jogos com 1 TB de armazenamento.
Além disso tudo, com seu design preto minimalista com ares do monólito de “2001 – Uma Odisseia no Espaço” (1968), também ganha no duelo visual com seu primo menos potente.
O Series S sofre em uma comparação técnica. Mais fraco, ele oferece resolução máxima de 1440p em games e taxa menor de frames, além de pouco mais da metade do armazenamento (512 GB).
Quem tem pressa
Estes podem parecer grandes problemas para a versão mais modesta. Mas pelo menos durante a experiência em games disponíveis para a próxima geração, como “Watch Dogs: Legion”, a diferença de performance não é tão gritante.
Na verdade, mesmo em uma TV com resolução de 4K, a experiência é virtualmente a mesma na maior parte do tempo. Claro, ela não resiste a uma comparação minimalista lado a lado, mas está longe de comprometer.
Com uma distância tão grande de valores de venda no Brasil, o Series S se torna o modelo ideal para quem tem pressa para entrar na nova geração, mas sofre com um orçamento mais apertado.
Afinal, investir em um novo console não se resume apenas no aparelho, mas também em jogos e acessórios, como controles para jogar com amigos.
Outras vantagens
Nesse sentido pelo menos a Microsoft ajudou o usuário, ao manter os novos aparelhos compatíveis com joysticks da geração atual e com o Game Pass, seu serviço por assinatura que oferece um catálogo considerável de jogos lançados nos últimos anos.
Outra grande vantagem dos Series é a troca dos antigos discos de armazenamento por SSDs.
Muito se falava sobre como a novidade ajudaria tornar o tempo de carregamento de jogos quase instantâneo. Ainda não é para tanto, mas evolução é notável, e economiza bons segundos e até minutos a cada tela de loading.
Vida curta
Mesmo com a grande vantagem em relação ao preço, o Series S pode enfrentar um problema a longo prazo. Jogos atuais ainda são desenvolvidos pensando na geração atual.
Com um poder menor de processamento, há a probabilidade de que a versão modesta não aguente por muitos anos, principalmente quando games começarem a exigir mais dos consoles.
Um investimento de R$ 2.800 é bem mais baixo que os R$ 4.600 do Series X, mas a chance de sofrer com o tempo deve ser levada em consideração.