Moradores da cidade de Macapá, capital do Amapá, vêm relatando que está faltando água e que eles estão tendo que racionar alimentos após o apagão que atingiu o estado no começo da semana, deixando diversos municípios sem energia elétrica. Os habitantes do estado também disseram não conseguir sacar dinheiro e comprar itens básicos. Em comunidades afastadas, baldes de água fluvial podem custar até R$20 para transporte. Nos mercados, galões com um litro de água já custam R$ 35. Tentando amenizar a situação, a prefeitura de Macapá começou a distribuir caminhões pipas para abastecer zonas da cidade.

A historiadora Marcella Viana, 27, diz que, por conta da falta de água, moradores tem ido a lagos, poços e até ao Rio Amazonas para tomarem banho e beber, mesmo que a água não seja considerava potável. Ela diz ainda que está recebendo amigos que vivem na cidade em uma quitinete de dois quartos que divide com a mãe de 50 anos e com suas irmãs, com 8 e 20. Desde o apagão, ela tem ido a um restaurante que funciona por gerador para carregar seu celular e divulgar a situação em que o Estado se encontra.

Ela conta ainda que os mercados que ainda estão vendendo água começaram a racionar a compra por pessoas, mas fiz que as pessoas estão indo comprar os produtos diariamente, porque não tem gelo na cidade e, sem energia, as pessoas não tem onde armazenar o líquido. A estudante Cássia Riane Amanajas Cordeiro, 14, diz que sua família está com dificuldades para comprar comida. “Os caixas eletrônicos não estão funcionando, então está difícil até de comprar comida, pois nem todos os comércios aceitam cartão de crédito”, diz a garota, que continuou, dizendo que vem conseguindo água através de parentes e vizinhos que têm poços em casa.

*Com informações do Estadão Conteúdo