A vitória de Joe Biden nas eleições americanas coloca Kamala Harris, 56 anos, em uma posição nunca ocupada por uma mulher negra nos Estados Unidos. Filha de uma indiana, Shymala Gopalan, e de um jamaicano, Donald Harris, a advogada trouxe a representatividade que o novo presidente prometeu nos discursos feitos em meados de março, quando disputava sua candidatura com Bernie Sanders pelo Partido Democrata, no qual a vice-presidente é filiada. Graduada em artes e em direito, Kamala ganhou destaque na política ao ser eleita em 2017 como senadora da Califórnia, sendo a primeira mulher com descendências indiana e afro-americana a ocupar o cargo. Antes disso, ela foi a primeira mulher a ocupar o posto de procuradora-geral no estado em que posteriormente virou senadora.

Em seu perfil nas redes sociais, ela se descreve como uma política, esposa, mãe e tia que está “lutando pelo povo”. Assim que a vitória de Biden foi anunciada, Kamala usou o Twitter para dizer que ela e o novo presidente terão “muito trabalho pela frente” e que o resultado dessa eleição reflete “a alma da América e a disposição de lutar por ela”. Ter a então senadora como vice na campanha foi importante para a vitória de Biden, uma vez que houve uma pressão de boa parte dos americanos para que fosse escolhida uma mulher negra para o posto. Isso se intensificou quando o movimento “Black Lives Matter” (“vidas negras importam”) dominou os Estados Unidos. Os protestos antirracistas, que começaram após George Floyd morrer durante uma abordagem policial, movimentaram o país e tiveram repercussão no mundo inteiro.

Kamala é conhecida nos Estados Unidos por defender as minorias, como os negros e a comunidade LGBTQI+. Como procuradora, ela apostou em projetos sociais e no Senado bateu de frente com certas decisões do atual presidente Donald Trump. A advogada chegou a lançar uma pré-candidatura para concorrer à presidência no ano passado, mas acabou não dando prosseguimento e, posteriormente, assumiu o posto de candidata a vice. Devido à idade de Biden, que daqui quatro anos estará com 82 anos, a americana já é apontada como uma forte substituta do presidente eleito neste sábado, 7, nas eleições de 2024.