Na noite desta segunda-feira, 09, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou que paralisou os testes clínicos da Coronavac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac, por um ‘evento adverso grave’. “O evento ocorrido no dia 29/10 foi comunicado à Anvisa, que decidiu interromper o estudo para avaliar os dados observados até o momento e julgar sobre o risco/benefício da continuidade do estudo”, diz a nota publicada. Horas depois o Governo de São Paulo, por meio do Instituto, também se pronunciou dizendo que não foi informado oficialmente pela Anvisa e que espera ‘informações mais detalhadas do corpo clínico’ da agência.

Hoje pela manhã, o governador do estado, João Doria, afirmou em uma série de tweets que a Coronavac é “a vacina mais promissora e mais segura dentre as vacinas contra a COVID-19” e que seria produzida em massa ainda neste ano. O governo fará uma entrevista coletiva nesta terça-feira, 10, às 11h (horário de Brasília) para explicar todos os procedimentos da vacina e tornar público “os reais motivos que determinaram a paralisação” dos testes clínicos.

Confira abaixo a íntegra da nota do Governo de São Paulo

O Governo de São Paulo, através do Instituto Butantan, lamenta ter sido  informado pela imprensa e não diretamente pela Anvisa, como normalmente ocorre em procedimentos clínicos desta natureza, sobre a interrupção dos testes da vacina Coronavac.

O Butantan aguarda informacões mais detalhadas do corpo clínico da Agência Nacional de Vigilância Sanitária sobre os reais motivos que determinaram a paralisação. Amanhã, as 11h, já em posse destas informações da Anvisa, haverá uma entrevista coletiva na sede do Instituto Butantan.