O Ministério da Saúde se posicionou sobre uma possível aquisição da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela norte-americana Pfizer e pela alemã BioNTech. Em nota, a pasta disse que está analisando os dados da vacina e a possibilidade de adquirir doses do imunizante. “O Ministério da Saúde tem trabalhado em diversas frentes para alcançar com agilidade e segurança uma solução efetiva para a cura da Covid-19 no Brasil. Todas as vacinas com estudos avançados no mundo estão sendo analisadas, inclusive a do laboratório Pfizer”, diz o comunicado da pasta

O Ministério continua dizendo que está acompanhando mais de 250 pesquisas sobre potenciais imunizantes contra a Covid-19 e que “todas as apostas” serão feitas para encontrar uma vacina capaz de “imunizar a população brasileira”. “Atualmente, o Ministério acompanha cerca de 254 pesquisas, algumas com testes já bem avançados. Todas as apostas necessárias serão feitas para achar uma solução efetiva, em qualidade e quantidade necessárias para imunizar a população brasileira”, conclui a pasta.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também comentou a possibilidade, dizendo que “não é possível antecipar posições sobre a eficácia e a segurança das vacinas” antes do término das pesquisas. A Anvisa informou ainda que, no momento, existem quatro vacinas sendo testadas no país, todas na fase 3, e que não há “resultados conclusivos” para nenhuma delas.

Os resultados dos testes do imunizante foram divulgados nesta segunda-feira, 9, e mostraram que existe uma eficácia de 90% uma semana após a aplicação da segunda dose da vacina. Os testes contaram com a participação de 43.538 pessoas até o momento. A expectativa das empresas é de que sejam produzidas 50 milhões de unidades ainda este ano e que outras 1,3 bilhão de doses sejam entregues durante 2021.