Nesta quinta-feira, 10, o ex-primeiro-ministro do Líbano, Hassan Diab, foi indiciado pela explosão do porto de Beirute, que deixou 200 mortos e 6.500 feridos. Além dele, outros três ex-ministros terão que responder à Justiça: Ali Hasan Jalil, que era do Ministério das Finanças, e Ghazi Zaiter e Yusuf Fenianos, que chefiavam o Ministério de Obras Públicas e Transporte. Os quatro renunciaram aos seus cargos depois do dia 4 de agosto, quando um carregamento de nitrato de amônio armazenado há seis anos, sem qualquer controle ou fiscalização, teria causado o acidente. Eles são acusados pelo juiz responsável pelo caso, Fadi Sawan, por negligência, provocar óbitos e deixar feridos.

O interrogatório dos ex-ministros deve acontecer entre segunda e quarta-feira da próxima semana. Pouco depois da explosão em Beirute, o presidente do Líbano, Michel Aoun, também reconheceu que sabia da existência de uma grande quantidade de nitrato de amônio no porto. A explosão da substância, usada como fertilizante, causou uma onda de devastação que atingiu bairros inteiros da capital. Estima-se que pelo menos 300 mil pessoas tenham ficado desabrigadas após o acidente.

*Com informações da EFE