O homem que atacou a tiros uma sinagoga na cidade de Halle, na Alemanha, no dia 9 de outubro de 2019, deixando dois mortos e dois feridos, foi condenado nesta segunda-feira, 21, à prisão perpétua. Segundo porta-voz do Tribunal da cidade de Naumburg, o suspeito identificado apenas como Stephan B., foi indiciado por homicídio, tentativa de homicídio e incitação ao crime. Após cometer os assassinatos, ele confessou que idealizou o ataque por ter simpatia pela extrema-direita e razões antissemitas. Ele tentou entrar no local atirando e ativando uma bomba na porta de entrada enquanto fazia uma transmissão ao vivo, mas não conseguiu por causa do sistema de segurança do templo. Frustrado, o homem atirou a ermo em pessoas que passavam pela rua.

Para chegar à condenação, a acusação afirmou que o homem tinha intuito de matar mais de 50 judeus que estavam dentro da sinagoga durante o feriado de Yom Kippur, uma das celebrações mais importantes da religião. Após 15 anos de cumprimento de pena, o antissemita poderá pleitear a liberdade condicional. “Elogio o sistema de justiça da Alemanha por impor a sentença mais severa possível a um antissemita perverso e sem coração que tentou matar judeus dentro de uma sinagoga no dia mais sagrado do ano e tirou as vidas e duas pessoas inocentes que estavam no caminho dele”, afirmou o presidente do Congresso Judaico Mundial, Ronald Lauder, em nota.