Um grupo de cientistas do Reino Unido concluíram que a nova cepa acelera a transmissão do coronavírus em até 70% e parece ser a responsável pelo aumento no número de infecções em algumas regiões da Inglaterra, incluindo a capital Londres. A conclusão foi anunciada por um grupo consultivo, chamado de “Novas Ameaças de Vírus Respiratórios” (Nervtag, na sigla em inglês), após as primeiras análises apontarem que a variante identificada no país para se espalhar mais rápido do que a original. Os especialistas também destacaram que as evidências indicam que a nova cepa não representa um risco a mais para as crianças: na verdade, elas parecem ser tão suscetíveis a essa variante do coronavírus quanto os adultos. Caso contrário, o governo britânico teria que repensar a reabertura das escolas em janeiro.

Na segunda-feira, 21, a Organização Mundial da Saúde (OMS) disse não existir evidências que indiquem que a nova variação do coronavírus cause uma infecção mais grave ou afete a eficácia das vacinas já desenvolvidas. A epidemiologista do Programa de Emergência em Saúde da organização, Maria Van Kerkhove, ressaltou ainda que a segunda onda de Covid-19 na Europa pode estar relacionada à nova cepa ou simplesmente às mudanças comportamentais da população. A entidade anunciou que reunirá seus membros para discutir estratégias para conter a variante, apesar da data ainda não ter sido divulgada.

*Com informações da EFE