A agência reguladora de alimentos e medicamentos da Argentina (ANMAT) autorizou nesta quarta-feira, 23, o uso emergencial da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Pfizer em parceria com a BioNTech. A entidade considerou que o imunizante apresenta uma “relação risco-benefício aceitável” e, por isso, permitiu que ela seja comercializada no país pelo prazo de um ano sob prescrição. Apesar da Argentina ter participado da terceira fase de testes clínicos da vacina, a aquisição das doses ainda está em andamento. Durante uma entrevista à rádio El Destape, o ministro da Saúde, Ginés González García, afirmou que as farmacêuticas estavam estabelecendo condições “inaceitáveis” que estariam dificultando as negociações.

A Argentina também possui acordos com a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca, além da Rússia, que fornecerá a Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya. No entanto, essas vacinas contra a Covid-19 ainda não receberam a aprovação da ANMAT. A vacina produzida pela Pfizer que protege contra o novo coronavírus já recebeu autorização para uso também na União Europeia, Arábia Saudita, Chile, Canadá, México, Estados Unidos e Reino Unido.

*Com informações de agências internacionais