Os caminhões voltaram a cruzar o Canal da Mancha de balsa na madrugada desta quarta-feira, 23, após 48 horas de bloqueio do porto de Dover, na Inglaterra. No momento em que as fronteiras entre o Reino Unido e a França foram reabertas, cerca de três mil caminhões já estavam aguardando a autorização para seguir viagem. No entanto, antes todos os motoristas precisam realizar testes de antígeno para detectar o novo coronavírus. Apesar desses exames serem os mais rápidos em apresentar o resultado, a demora no processo está causando revolta entre os caminhoneiros, que alegam que seu estoque de comes e bebes está acabando e que eles não chegarão em casa à tempo para o Natal. Enquanto isso, o tráfego ferroviário de passageiros do Eurotúnel também voltou à normalidade após a meia-noite. No entanto, só os franceses e os residentes da França puderam viajar, mediante apresentação de resultado negativo para um teste PCR realizado 72 horas antes.

Por causa da aparição de uma mutação que torna o coronavírus mais transmissível na semana passada, cerca de 50 países já limitaram as viagens ao Reino Unido. Dessa forma, os supermercados do país correm o risco de ficar sem produtos frescos vindos da União Europeia até o final de semana. Tesco, uma famosa rede britânica de supermercados, declarou ter introduzido ‘limites de compra de produtos’ em certas linhas de artigos. A companhia aérea alemã Lufthansa acrescentou um voo especial de carga de alimentos perecíveis de 80 toneladas, que inclui frutas e vegetais, para ajudar a atender a demanda por produtos alimentícios do Reino Unido.

*Com informações da EFE