Uma segunda variante do novo coronavírus foi detectada em duas pessoas contaminadas no Reino Unido. O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira, 23, que essa outra versão do Sars-CoV-2 parece conter ainda mais mutações do que a cepa que foi detectada na Inglaterra na semana passada e está ligada a pessoas que viajaram para a África do Sul. Por esse motivo, o governo britânico adotará restrições imediatas às viagens ao país e quarentenas rígidas às pessoas que tiverem chego de lá nas últimas duas semanas. A África do Sul já havia anunciado a descoberta de uma mutação do coronavírus em seu território na segunda-feira, 21. “Este Natal e o início de 2021 será um período difícil. A nova variante torna tudo muito mais difícil porque se propaga muito mais rápido. Mas não devemos nos render, sabemos que podemos controlar este vírus”, afirmou o ministro britânico Matt Hancock.

Por causa da aparição da primeira mutação do coronavírus na semana passada, mais de 50 países já limitaram as viagens ao Reino Unido. Segundo os números oficiais mais recentes, os contágios no território britânico aumentaram em 61,2% nos últimos sete dias em relação aos sete anteriores. Só a Inglaterra coma 17.709 pessoas internadas com Covid-19 no momento, cada vez mais perto de alcançar o pico de 18.974 registrado na primeira onda da pandemia. Por esse motivo, o ministro da Saúde, Matt Hancock, afirmou que mais zonas da Inglaterra entrarão nos próximos dias no nível máximo de restrições e que o órgão regulador britânico deve analisar e aprovar em breve a vacina desenvolvida  pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca. “A vacina é a nossa saída para tudo isto”, concluiu.

*Com informações da EFE