O presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou neste domingo, 27, que a vacinação em massa contra a Covid-19 com a Sputnik V, imunizante russo, vai começar na próxima terça-feira, 29, às 9h da manhã. As cerca de 300 mil doses chegaram ao país no dia 24 de dezembro. “Seguimos trabalhando unidos, porque nossa única preocupação é a saúde dos argentinos e argentinas”, escreveu Fernández. Segundo o presidente, chegarão ainda em janeiro doses suficientes para vacinar mais cinco milhões de pessoas e, em fevereiro, mais cinco milhões, chegando a dez milhões de pessoas imunizadas. Há também uma preferência a favor da Argentina para um lote extra de doses, que possibilitaria vacinar mais cinco milhões de pessoas em março, caso os outros laboratórios com os quais o país tem contrato não tiverem imunizantes disponíveis.

A agência reguladora de alimentos e medicamentos da Argentina (ANMAT) autorizou no dia 23 o uso emergencial das vacinas contra a Covid-19 desenvolvida pela Pfizer em parceria com a BioNTech e da Sputnik V, criada pelo russo Instituto Gamaleya. A entidade considerou que os imunizantes apresentam uma “relação risco-benefício aceitável” e, por isso, permitiu que eles sejam comercializados no país pelo prazo de um ano sob prescrição. Apesar da Argentina ter participado da terceira fase de testes clínicos da vacina da Pfizer, a aquisição das doses ainda está em andamento. A Argentina também possui acordo com a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca. No entanto, essa vacina contra a Covid-19 ainda não recebeu a aprovação da ANMAT.