A vice-primeira-ministra da Rússia, Tatiana Golikova, afirmou nesta terça-feira, 29, que o novo coronavírus foi responsável por mais de 80% das mortes excedentes no ano de 2020 em comparação a 2019. Com isso, segundo os números revisados, o país registrou desde o início da pandemia 186 mil óbitos pelo novo coronavírus, quantidade três vezes maior do que a divulgada anteriormente, que era de 55,8 mil. Segundo o canal britânico BBC, as mortes ligadas à doença atingiram o ápice no mês de novembro e dezembro na Rússia. A representante do governo acredita que isso se deve ao crescimento das doenças respiratórias nos meses de outono e inverno.

O país tem sofrido severas críticas durante a pandemia pela forma como computa as mortes causadas pela doença. Os óbitos só são registrados como causados por Covid-19 quando os relatórios de legistas mostram o vírus como a principal causa da morte. Esse sistema termina por ignorar uma série de outras motivações que podem estar ligadas à doença. Com a atualização dos números, o país europeu se aproxima do Brasil e dos Estados Unidos se tornando o terceiro com mais mortes por Covid-19 no mundo. Antes, ele ocupava a oitava colocação, atrás de países como Índia e México. O país trabalha desde o fim de novembro com a vacina Sputnik V, que foi exportada para a Bielorrússia e para a Argentina até o momento. No vizinho latino, a imunização foi iniciada nesta terça-feira.