Com o crescimento de casos devido a nova cepa de coronavírus no Reino Unido, 32 milhões de britânicos entram no nível mais alto de restrições de circulação a partir desta quinta-feira, 31. Até a quinta-feira, 30, 43% da Inglaterra já vivia sob regras mais restritas — com bares, restaurantes, pubs e outras formas de entretenimento fechadas. Com a nova medida, dois terços dos britânicos passam a seguir as mesmas regras. O secretário de Saúde, Matt Hancock, classificou o anúncio como “absolutamente necessário”.

O Reino Unido registrou recorde de 50 mil novos casos em apenas um dia e cresceram os temores de que o Serviço Nacional de Saúde (NHS) corre o risco de ficar sobrecarregado. Grande parte dos registros recentes são da nova variante de coronavírus, com transmissibilidade maior. O primeiro-ministro, Boris Johnson, pediu foco e disciplina dos britânicos nos próximos meses de inverno, afirmando que imunizantes e testes não serão suficientes.

Na França, a cidade de Nancy antecipou o início do toque de recolher das 20h para 18h. A medida entrará em vigor em 2 de janeiro. O ministério da Saúde vai propor o mesmo a pelo menos 20 departamentos do leste. A França tem registrado cerca de 15 mil novas infecções diárias por coronavírus, e quase 25 mil pacientes estão hospitalizados. As autoridades da Alemanha também consideram estender o lockdown parcial, em vigor até 10 de janeiro. Escolas, restaurantes, estabelecimentos de cultura e lazer e a maior parte dos shoppings estão fechados desde o final de outubro. O país registrou, pela primeira vez desde o início da pandemia, mais de mil mortes em um período de 24 horas.

*Com informações da repórter Nanny Cox