Após a divulgação de um novo aumento no número de casos de coronavírus, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou, nesta segunda-feira, 4, um novo confinamento nacional, incluindo o fechamento de escolas. Em uma pronunciamento divulgado nas redes sociais, Johnson afirmou que “com quase todo o país já sob medidas extremas, é claro que precisamos fazer mais, juntos, para trazer essa nova variante sob controle enquanto nossas vacinas são lançadas”. Nas últimas 24 horas, o Reino Unido registrou 58.784 casos, maior número diário e sétimo dia consecutivo com mais de 50 mil novos doentes por dia.

O aumento se deve, entre outros motivos, à descoberta de uma nova variante do vírus, conhecida como B117 e até 70% mais transmissível. De acordo com os dados compilados pela Universidade Johns Hopkins, desde o início da pandemia, o Reino Unido registrou mais de 2,6 milhões de casos de Covid-19 e mais de 75.000 mortes. “O número de mortes aumentou 20% na última semana e, infelizmente, aumentará ainda mais”, reconheceu Boris Johnson. Em seu pronunciamento, o primeiro-ministro também afirmou que as pessoas só deverão sair de casa para fazer compras essenciais, trabalhar quando não houver a possibilidade de fazê-lo remotamente, fazer exercícios, ir ao médico ou escapar de violência.

As escolas primárias, secundárias e as universidades, explicou Johnson, ficarão fechadas a partir desta terça-feira, 5. O primeiro-ministro admitiu que a medida causará “inconveniência e angústia”, mas ressaltou que as escolas podem se tornar vetores de transmissão. “O problema não é que as escolas sejam inseguras para as crianças. O problema é que as escolas podem atuar como vetores de transmissão, fazendo com que o vírus se espalhe entre as famílias”, disse.