Após repercussão mundial sobre possível veto da Índia a exportações de vacinas contra a Covid-19, os laboratórios Serum Institute e Bharat Biotech asseguraram o fornecimento global de possíveis imunizantes contra a doença produzidos no país. “As duas companhias comunicam a intenção conjunta de desenvolver a produção e fornecimento de vacinas contra a Covid-19 para a Índia e o mundo. Vacinas são um bem de saúde pública global e têm o poder de salvar vidas e acelerar o retorno da economia à normalidade o mais cedo possível”, diz nota conjunta publicada nesta terça-feira, 05. O comunicado acontece depois que o CEO do Instituto Serum, Adar Poonawalla, afirmou que não haveria permissão do governo local para a exportação dos imunizantes, o que sucitou preocupações no Brasil – e no mundo, já a vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com Universidade de Oxford, principal aposta do Ministério da Saúde para imunização dos brasileiros, é fabricada em solo indiano.

Após a divulgação do comunicado, Adar Poonawalla compartilhou a nota nas redes socais e falou sobre uma possível “falha de comunicação” quanto ao suposto veto do governo indiano. “As exportações de vacinas são permitidas para todos os países. (…) Estamos todos unidos na luta contra esta pandemia”, disse no Twitter. O possível impedimento causou preocupação a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que articula a importação de duas milhões de doses do imunizante da AstraZeneca. O Itamaraty chegou a ser acionado para negociar com o governo da Índica e afirmou ter confiança sobre a solução para o problema, esclarecido o comunicado desta terça-feira.

*Com Estadão Conteúdos