O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, afirmou não ter o poder para impedir a certificação da vitória do democrata Joe Biden durante uma sessão que será realizada nesta quarta-feira, 6, no Congresso Nacional. Em carta divulgada em seu perfil oficial no Twitter, Pence garante que cumprirá com a sua obrigação de fazer com que as acusações de fraude eleitoral sejam devidamente levadas em consideração. No entanto, ele defende que nessas circunstâncias o seu papel como vice-presidente é principalmente “cerimonial” e não lhe concede “autoridade unilateral para decidir quais votos deveriam ser contabilizados”, citando para isso a Constituição dos Estados Unidos. A publicação é uma resposta à duas publicações, feitas horas antes também no Twitter, em que o próprio presidente Donald Trump pede que Pence atue contra a oficialização na vitória de Biden no Congresso. “Faça isso, Mike, este é um momento para extrema coragem!”, escreveu.

A confirmação do Congresso dos Estados Unidos é o último passo para reafirmar a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais antes da posse no próximo dia 20. Nessa ocasião, os membros da Câmara dos Representantes e do Senado se reúnem para contagem dos votos do Colégio Eleitoral que, segundo a imprensa norte-americana projetou, serão 306 para Biden e 232 para Trump. Considerado uma formalidade, o procedimento é tradicionalmente mediado pelo vice-presidente, já que ele possui a função de presidente do Senado. Dessa forma, esse ano caberá a Mike Pence declarar o vencedor geral da eleição presidencial. O encontro em Washington D.C. teve início às 15 horas de Brasília desta quarta-feira, 6, sendo que uma multidão de manifestantes pró-Trump estão reunidos em frente ao Capitólio. O protesto foi convocado através do Twitter pelo próprio presidente Donald Trump.