A Agência Espacial Brasileira (AEB) assinou uma carta de intenção para colaborar com o Programa Artemis, que pretende levar a primeira mulher à Lua e avançar nas pesquisas para colonização de Marte. O projeto é desenvolvido pela NASA em parceria com diversas agências espaciais, sendo que o Brasil foi o décimo país a entrar para o acordo de colaboração. De acordo com o presidente da AEB, Carlos Moura, a ideia é que o país participe na parte de produção e desenvolvimento de pequenos equipamentos robóticos. Com a participação brasileira, pretende-se estimular não só as pesquisas nacionais, mas também o desenvolvimento de outros setores, como a agricultura e o turismo.

A expectativa é que o governo invista R$ 106 milhões iniciais na implementação do projeto, para depois atrair agentes privados. “O país, pela economia, pelo tamanho da população, precisa ter capacidade de produção tecnológica própria”, defendeu Moura. A ideia é que a AEB colabore com algum equipamento robótico que ajude na exploração da Lua, sendo que o direito sobre a criação ficaria com o Brasil. Além disso, Moura vislumbra que os eventuais avanços em tecnologias podem melhorar o desempenho da agricultura, já que pode ser estudada a produção de gêneros alimentícios visando as tripulações ou até mesmo meios de estabelecer cultivos fora da Terra.

O presidente da AED também ressaltou o potencial turístico da colaboração com a NASA, já que o Brasil conta com duas estações de lançamento de foguetes no Nordeste. “Normalmente as estações são localizadas em lugares ermos. No nosso caso não, a costa leste e nordeste é fabulosa. Então podemos agregar o turismo tradicional e o turismo orbital, oferecendo passeios pelas nossas praias e ainda permitir que o turista sinta o gostinho do que é ser astronauta”, argumenta.

*Com informações do Estadão Conteúdo