O comissário para a emergência do novo coronavírus na Itália, Domenico Arcuri, afirmou que seis milhões de pessoas devem ser vacinadas contra a Covid-19 até o fim de março no país. Em entrevista à emissora de televisão estatal Rai3, ele explicou que esse número poderá ser alcançado graças à soma dos contratos assinados pela União Europeia para compra das doses dos imunizantes fabricados pela Moderna e pela PfizerBioNTech.  Segundo ele, a Itália deve receber um total de 60 milhões de doses, suficientes para proteger 30 milhões de pessoas do novo coronavírus.

Desde o início de sua campanha de vacinação, a Itália já aplicou a primeira dose da vacina em quase 590 mil pessoas. Isso faz com que o país seja dono do maior número de vacinados de toda a União Europeia e o quarto no mundo.  No entanto, a velocidade da imunização varia em cada região: a Campânia, a Úmbria, a Toscana, o Vêneto, o Lázio e a Emília-Romanha são as mais avançadas da campanha nacional, enquanto a Lombardia e a Calábria, duas regiões fortemente afetadas pela Covid-19, ainda não aplicaram nem 40% de suas doses.