O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aprovou a declaração de estado de emergência em todo o distrito de Colúmbia, onde fica Washington D.C. De acordo com um comunicado divulgado no site da Casa Branca nesta segunda-feira, 11, a medida tem como objetivo garantir a segurança da capital norte-americana nos dias que antecedem e precedem a cerimônia de posse do presidente eleito Joe Biden, que acontecerá no próximo dia 20. O estado de emergência autoriza o uso de todos os recursos do estado em caso de necessidade entre os dias 11 e 24. A invasão do Capitólio por apoiadores de Trump levantou preocupações sobre a segurança do evento. Além da posse ser supervisionada pelo Serviço Secreto e pelo Departamento de Defesa, 10 mil membros da Guarda Nacional, vindos de seis estados diferentes, ajudarão a Polícia do Capitólio nos próximos 30 dias.

No entanto, os grupos de extrema direita envolvidos no ato já indicaram que não pretendem deixar a transição de poder acontecer tão tranquilamente. Na sexta-feira, 8, um dos usuários da plataforma Parler, utilizada principalmente entre os eleitores mais conservadores, fez uma publicação afirmando que muitos deles retornarão à Washington D.C. na próxima semana. “Chegaremos em números que nenhum exército ou agência policial pode igualar”, acrescentou. No site TheDonald.Win, um usuário anônimo escreveu: “Round 2 em 20 de janeiro. Desta vez, sem piedade. Eu nem me importo em manter Trump no poder. Eu me importo com a guerra”. As ameaças não desencorajaram o presidente eleito Joe Biden a seguir com as tradições da cerimônia, realizada nos degraus do Capitólio. Nesta segunda-feira, 11, após receber a segunda dose de sua vacina contra a Covid-19, ele afirmou não ter medo de fazer o seu juramento ao ar livre.

Para o FBI, no entanto, Washington D.C. não é a única capital dos Estados Unidos sob ameaça. O serviço de inteligência alertou sobre possíveis protestos de grupos de extrema direita em todo o país. Segundo a emissora de televisão BBC, há informações de que manifestantes armados pretendem se reunir em todas as 50 capitais norte-americanas durante a posse de Joe Biden. A invasão ao Capitólio no último dia 6 causou a morte de cinco pessoas e aconteceu logo após o presidente fazer um discurso incitando seus apoiadores a marcharem rumo ao edifício-símbolo da democracia do país. Trump afirmou que não comparecerá na posse deu seu sucessor.