A cidade de Curitiba entrou em lockdown de nove dias na sexta-feira, 12, mesmo data em que atingiu o recorde de mortos pela Covid-19 em 24 horas (20). Somente supermercados, farmácias, postos de gasolina e serviços de limpeza terão permissão para comercializar seus produtos ou serviços. Rafael Greca, prefeito da capital paranaense, disse neste sábado, 13, em seu Twitter que foi “empurrado a tomar essa decisão. “Fomos empurrados para o pior pelo desrespeito a normas sanitárias que nem são tão difíceis de cumprir: usar máscara, lavar as mãos, evitar entrar ou promover aglomerações. Fechamos a cidade pelo bem da nossa terra e da nossa gente”, disse.

Greca também usou a expressão “respeito à vida”, comumente usada por governantes que vêm adotando medidas de restrição. “ A lei de Deus nos obriga ao respeito à vida. Após um ano de luta, estamos exauridos, mas jamais sem esperança. O Brasil adoeceu e Curitiba não escapou disso. De Roma a Milão, de Shangai a Belo Horizonte, de São Paulo a Curitiba, o combate ao vírus nos obriga a ficarmos recolhidos. Guardados dentro da gente, até que sejamos todos vacinados. Esta é a diferença de 2020. Agora temos vacina. Temos esperança.”