O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, alertou nesta terça-feira, 11,  que serão necessárias “medidas excepcionais” por causa da falta de chuva e do baixo nível dos reservatórios. Em audiência na Câmara dos Deputados, ele afirmou que as afluências em 2021 estão abaixo da média histórica em todos os subsistemas e lembrou que o período seco do ano já começou e disse que não há previsão de volumes significativos de chuva. O ministro garante que o país não corre risco de racionamento ou falta de energia, mas fala na adoção de “medidas excepcionais” diante da crise. “Nós temos condição de garantir a segurança energética do país para 2021. Mas já adianto: vai exigir medidas excepcionais e vai exigir também bastante atenção por parte de todos os agentes públicos.

Na segunda-feira, o presidente Jair Bolsonaro já havia dito que o Brasil vai ter um novo “problema sério” pela frente, com a maior crise hidrológica da história. Sobre a privatização da Eletrobras, o ministro Bento Albuquerque garantiu aos deputados que a mudança não provocará aumento nas contas de luz. “A premissa para o Ministério de Minas e Energia mais importante para esse processo de capitalização é que não haja nenhum aumento tarifário por conta desse processo. Ou seja, é de forma transparente e criteriosa que nós conduzimos esse processo”, disse. O Congresso Nacional precisa analisar até 22 de junho a medida provisória da privatização da Eletrobras. O relator do texto, deputado Elmar Nascimento, deve apresentar o parecer nos próximos dias.

*Com informações do repórter Vitor Brown