Aos menos sete capitais brasileiras já registram, neste sábado, 29, manifestações contra o governo de Jair Bolsonaro. Os atos previstos para acontecer em todas a regiões do país criticam a gestão federal, especialmente a atuação do presidente durante a pandemia de Covid-19. Entre cartazes, faixas e bandeiras, os participantes pedem o impeachment presidencial. Defesa dos povos indígenas, da educação brasileira e do meio ambiente também são temas em destaque. Rio de Janeiro, Brasília, Maceió, Salvador, Recife, Belém, Florianópolis e Belo Horizonte estão entre as cidades onde as manifestações já estão acontecendo. A expectativa é que os atos liderados pelos opositores do governo aconteçam ainda no período da tarde em outras capitais, como São Paulo e Porto Alegre, e em outros municípios brasileiros. Em Londres, no Reino Unido, os os protestos contra o governo Bolsonaro também já acontecem.

Na manifestação deste sábado, os participantes usam máscaras de proteção contra a Covid-19. Além disso, há distribuição do item de proteção em algumas cidades. Lideranças dos movimentos também alertam para a importância do distanciamento social por meio de faixas e cartazes. Em Campinas, cidade no interior de São Paulo, por exemplo, os participantes se mantém distância de cerca de um metro entre si. Por sua vez, em Recife, em Pernambuco, já há registros de confrontos entre manifestantes e a polícia local, que usa balas de borracha e gás de efeito moral para dispersar os presentes. Nas redes sociais, parlamentares e famosos compartilham registros da participação nos movimentos, como a deputada federal Jandira Feghali, que participa do ato em Brasília e as atrizes Camila Pitanga e Renata Sorrah, que esteve no protesto do Rio de Janeiro.