Em coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira, 18, a equipe médica que acompanha o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), disse que ele não deve se afastar do cargo após a detecção do surgimento de um novo nódulo no fígado. O prefeito confirma que não vai se afastar, que vai continuar trabalhando. Ele está trabalhando. Se surgir um fato novo, alguma consequência da quimioterapia, isso será discutido em outro momento. Agora, ele continua trabalhando, continua despachando normalmente”, afirmou o infectologista David Uip.

Covas está internado no Hospital Sírio Libanês desde a última terça-feira, 16. Ele foi realizar exames de controle, para a rotina do tratamento que enfrenta na região da cárdia, transição entre estômago e esôfago. Com a detecção do novo nódulo, o tratamento será reajustado. Dessa forma, a imunoterapia será interrompida e um novo protocolo de quimioterapia convencional terá início. Inicialmente, estão prescritas quatro sessões de 48 horas, com intervalos de 14 dias entre cada uma e, ao final do ciclo, serão realizados novos exames de imagem para controle.

O prefeito iniciou a quimioterapia na tarde de quarta e deverá ficar internado até sábado. Segundo a equipe médica, ele está clinicamente bem e despachando normalmente. Covas está sendo acompanhado pelas equipes médicas coordenadas pelo infectologista David Uip, pelo cardiologista Roberto Kalil Filho, pelos oncologistas Artur Katz e Tulio Eduardo Flesch Pfiffer e pelo diretor adjunto do Departamento de Radioterapia do Hospital Sírio-Libanês, João Luis Fernandes da Silva.

Histórico da doença

No dia 23 de outubro de 2019, Bruno Covas foi internado para tratamento de uma erisipela. Dois dias depois, os médicos diagnosticaram uma trombose venosa das veias fibulares e exames subsequentes apontaram tromboembolismo pulmonar e câncer. Covas foi diagnosticado com adenocarcinoma, um tipo de câncer na região de transição do esôfago para o estômago, além de uma metástase no fígado e uma lesão em linfonodos. Em fevereiro de 2020, uma biópsia apontou que o câncer de Covas persistia após uma rodada de oito sessões de quimioterapia. O prefeito entrou na segunda fase do tratamento, passando por sessões de imunoterapia, um procedimento que consiste em sessões de 30 minutos para aplicação de medicamentos que fortaleçam o sistema imunológico.

* Com informações do repórter Daniel Lian