Um levantamento feito pela Confederação Nacional de Municípios aponta uma insuficiência nas ações de cooperação entre Brasil e os outros países fronteiriços no combate à pandemia da Covid-19. O estudo, realizado entre os dias 26 e 30 de abril, aponta que das 82 cidades que analisadas, 95,1% não tiveram empréstimo de oxigênio do país vizinho e 2,4% disseram ter recebido medicamentos do kit intubação cedido ou emprestado. O consultor da CNM, Eduardo Stranz, afirmou que a troca de equipamentos e insumos entre os municípios tem sido muito pequena.

“Muito pouca troca houve de equipamentos e oxigênio até esse período entre esses municípios limítrofes.” Sobre a vacinação, Stranz disse que a pesquisa aponta também pouca possibilidade de trocas. “Os nacionais que vivem no município-gêmeo no Brasil poderia se vacinar na sua cidade, no seu país. Somente 5% tinham a possibilidade de brasileiros se vacinarem no território do país limítrofe.” O Brasil possui 204 municípios que compõem a linha de fronteira, incluindo as 33 cidades-gêmeas — que são aquelas em que o território do município faz limite com o país vizinho e a sede se localiza no limite internacional.

*Com informações da repórter Camila Yunes