As vendas do comércio varejista brasileiro no Dia dos Namorados deste ano devem chegar a R$ 1,8 bilhão. Se confirmada, a previsão da Confederação Nacional do Comércio (CNC) vai representar um crescimento de quase 30% em relação a mesma data do ano passado. Um dos principais fatores é a alta do movimento nas lojas ocasionada pela flexibilização nas medidas restritivas. Segundo o economista chefe da CNC, Fabio Bentes, o desempenho é positivo, mas ainda não recupera a queda histórica causada pela pandemia. “A expectativa é de R$ 1,80 bilhão, bem mais do que no ano passado, quando o varejo faturou menos de R$ 1 bilhão. De qualquer forma, esse processo de recuperação é um processo lento mesmo, mas há começou há alguns meses”, relata. De acordo com a Spot Metrics, nos momentos em que o isolamento social foi afrouxado nos últimos 12 meses, houve elevação do consumo. Segundo o CEO da plataforma, Raphael Carvalho, o período de funcionamento do comércio contribui mais que a ocupação máxima permitida nos locais. “Principalmente com mais de oito horas, por isso justifica um turno inteiro de lojas abertas. Isso foi importante para acelerar o consumo. A gente viu isso no final do ano passado, quando tivemos um período menos crítico, e vimos isso no Dia das Mães agora também. Muito embora esse relaxamento que a gente percebeu se deu muito perto do Dia das Mães, então  muitos shoppings não tiveram tempo hábil para se preparar”, pontuou.

A gerente de marketing do Shopping Cidade São Paulo, Débora Viana, acredita que a maior confiança do consumidor no cumprimento dos protocolos vai atrair mais clientes. “Ano passado abrimos dia 11 de junho, um dia antes da grande data. Então ainda era um incógnita para todo o setor. Não sabemos como íamos nos comportar, então foi um grande aprendizado. A gente tem certeza que agora os números serão mais positivos, as pessoas também estão mais estáveis no sentido de entender como funciona o shopping, que ele segue o protocolo e temos os devidos cuidados para que a visita seja segura”, ressaltou. Carro-chefe no Dia dos Namorados, o segmento de vestuário, calçados e acessórios deve movimentar quase R$ 800 milhões, o equivalente a 44% do faturamento total. O resultado, no entanto, é 12% abaixo do que foi observado em 2019, refletindo as perdas de um dos ramos mais prejudicados durante a pandemia de Covid-19.

*Com informações da repórter Nanny Cox