Os hospitais privados do Estado de São Paulo registraram um aumento na taxa de ocupação de leitos de Unidade Terapia Intensiva (UTI) para pacientes com Covid-19 nos últimos 30 dias. O índice de instituições com mais de 80% dos leitos ocupados passou de 79% em 30 de abril para 88% na terça-feira, 1º, representando um aumento de 11,5%. As informações são do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (SindHosp). Segundo a pesquisa, 88% das instituições privadas estão com ocupação acima de 80%. Destes, 40% estão com o índice entre 91 e 100%. Apenas 11% dos hospitais têm ocupação abaixo de 80%. “O levantamento mostra a tendência de aumento de casos, evidenciando a 3ª onda e, se prosseguir neste ritmo, um novo colapso do sistema logo à frente”, destaca o médico Francisco Balestrin, presidente do SindHosp.

Cerca de 71% das instituições apontaram um aumento no preço dos remédios do “kit intubação“, sendo que 74% afirmam que esse reajuste foi superior a 100%. Na pesquisa anterior, esse índice era de 36%. De acordo com o sindicato, aumentos abusivos estão ocorrendo com maior intensidade. Além da alta nos preços, os hospitais ainda relatam falta de estoque de medicamentos. Das instituições pesquisadas, 33% possuem remédios armazenados para os próximos 10 e 15 dias. Destes, 27% têm reserva para 10 dias e 6%, para 15. Em relação à estocagem para os próximos meses, 28% dos hospitais têm medicamentos suficientes para até um mês e 31% para mais de um mês.