Um estudo feito pelo grupo Vebra Covid-19 mostrou que a CoronaVac teve uma efetividade menor em pessoas com mais de 70 anos. Segundo a pesquisa, a eficácia do imunizante foi de 42% no grupo 14 dias após a aplicação da segunda dose. A informação foi confirmada à Jovem Pan pelo pesquisador Júlio Croda, que faz parte do grupo envolvido no estudo. Com isso, a eficácia da vacina chinesa ficou abaixo do que o valor global encontrado nos estudos clínicos do Instituto Butantan, que é de 50,7%. A eficácia caiu ainda mais em maiores de 80 anos, indo para 28%. Em pessoas com 70 a 74 anos, a eficácia foi de 62%, sendo maior do que a taxa global, enquanto que entre os que tem de 75 a 79 anos, foi de 49%. O estudo que mostrou a efetividade da CoronaVac envolveu 15,9 mil pessoas com suspeita de Covid-19 que vivem em São Paulo e têm mais de 70 anos.

Procurado pela Jovem Pan, o Instituto Butantan, responsável pela produção da CoronaVac no Brasil, disse que a vacina mostrou ser “segura e eficaz” e que seu uso é indicado a toda a população adulta, “incluindo os idosos”. “A vacina não é barreira para a infecção pelo vírus Sars-Cov-2, mas reduz expressivamente o risco de uma pessoa ter a doença causada pelo vírus, evitando, sobretudo, quadros graves, hospitalizações e mortes”, diz comunicado do Instituto, que continua: “É importante que as pessoas sigam tomando a vacina, conforme os esquemas adotados pelos gestores de saúde, de modo a se prevenirem contra as complicações do novo coronavírus”.