Para tentar conter o avanço de novas variantes o Ministério da Saúde decidiu antecipar a vacinação de trabalhadores de portos e aeroportos. Mais de 200 mil pessoas deverão ser imunizadas com doses da AstraZeneca em uma ação estratégica para proteger os brasileiros mais expostos, principalmente depois da identificação da nova variante indiana no Brasil. Ao todo, 100% dos funcionários de portos serão imunizados e 70% dos trabalhadores nos aeroportos. Marcelo Queiroga já havia anunciado o aumento da testagem no Maranhão, onde tripulantes de um navio testaram positivo para a Covid-19. Agora, a ideia é ampliar a testagem em todo o país. A ideia foi discutida com o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, nesta terça-feira, 25. A proposta é testar pessoas em trânsito, em rodoviárias federais, estaduais, aeroportos e outras vias de acesso. Na prática, as pessoas farão primeiro o teste de antígeno, considerado mais rápido. Se der positivo, a infecção será confirmada pelo exame RT-PCR, mais confiável e que identifica a variante. “Isolar e tratar aquela pessoa que esteja infectada, isso é fundamental. Discutimos isso e daremos andamento a essa medida. Precisamos muito da iniciativa privada mobilizada nesse intuito da testagem”, disse Rodrigo Pacheco.

O presidente do Senado ainda pediu pressa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para análise do pedido de importação de doses prontas da vacina da Covaxin. A agência já negou a solicitação feita anteriormente e, agora, o laboratório pediu novamente a autorização de importação. A Anvisa já autorizou de certificação referente à linha de produção de novas doses. “Que já tem uma disponibilização de 20 milhões de doses assim que a Anvisa autorizar a sua utilização e registro. Não podemos descuidar da doença, da possibilidade de cada um de nós sermos infectados com essa doença. Portanto, mais do que nunca vamos retomar os cuidados”, afirmou o senador. O governador do Piauí, Wellington Dias, enviou pedido de ajuda humanitária ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. O governo norte-americano havia anunciado que iria compartilhar doses da vacina da Pfizer, AstraZeneca e Jassen. Os governadores afirmaram que apenas a disponibilização do imunizante será capaz de reverter a previsão de novas 200 mil mortes pela Covid-19 até setembro.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin