O governo do Estado de São Paulo prorrogou a fase de transição do Plano São Paulo, sem nenhuma alteração, até o dia 14 de junho. De acordo com o governador João Doria, a decisão por manter as limitações atuais aconteceu por recomendação após os indicadores de casos e internações mostrarem um momento de cautela no combate a pandemia da Covid-19. Então, até o próximo dia 14, todas as atividades de comércio, religião e de serviços gerais, incluindo restaurantes e similares, podem funcionar entre as 6 horas e 21 horas com 40% da capacidade total. O toque de recolher deve ser mantido entre 21 horas e 5 horas. No início de maio o governo tinha falado em liberar a ampliação do horário para 22 horas já no início de junho. Diante de uma alta nos indicadores na última semana — 8,3% nos casos, 7,8% nas internações e 4,6% nos óbitos — o Estado recuou.

A partir de 14 de junho, o horário de funcionamento das atividades poderá ser ampliado para 22 horas com 60% da capacidade. O Estado de São Paulo tem nesta quarta-feira 3.226.875 casos confirmados e 109.241 óbitos pela doença. A taxa de ocupação dos leitos de UTI está em 80,6% no Estado e em 77,6% na Grande São Paulo. Quanto ao número de internados, 10.545 estão em UTI e 12.554 estão em enfermaria — entre casos confirmados e suspeitos. O coordenador executivo do Centro de Contingência, João Gabbardo, afirmou que não existe correlação entre o aparecimento de uma nova variante, como a indiana, e o início de uma nova onda da doença. “Temos uma possibilidade, toda hora temos novas variantes. Isso não significa uma terceira onda. Mas, mesmo assim, temos que nos preparar para isso”, disse.