O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se reuniu com autoridades dos Estados Unidos para tentar ampliar o combate à Covid-19 e acelerar a vacinação no Brasil. Os encontros com Todd Chapman, embaixador dos EUA no país, e Anthony Fauci, assessor médico chefe da Casa Branca e diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, aconteceram nesta terça-feira, 30, através de videoconferências. Na conversa com o chanceler, Queiroga disse que “a capacidade de vacinação do Brasil é enorme” e que o país poderia ampliar o ritmo atual com mais doses de vacinas. Além disso, o ministro citou falta de insumos como medicamentos e oxigênio e se mostrou “esperançoso” com a relação entre os países. Em resposta, Chapman disse que está à disposição e ressaltou o trabalho já feito: “. A ajuda dos EUA nos últimos 12 meses alcançou milhões de brasileiros, e continuaremos o trabalho em todos os temas para derrotar o coronavírus juntos. Esforço não vai faltar”.

Na parte da tarde, Queiroga se reuniu com Fauci e classificou a cooperação entre EUA e Brasil como “fundamental para trazermos uma resposta para à sociedade”. “Estamos animados com a expectativa de colaboração entre os dois países para superarmos essa grave crise sanitária”, afirmou. O norte-americano, por sua vez, também citou a já existente parceria entre os países, citando as pesquisas sobre o zika vírus e disse estar animado para aumentar a colaboração. “Nós, dos Estados Unidos, e especificamente a minha instituição, estamos entusiasmados em aumentar a colaboração e o apoio conjunto com o Brasil”, afirmou o médico.