O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, disse que o governo federal pediu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a autorização para a realização de testes clínicos envolvendo a vacina nacional contra a Covid-19. A informação foi dada por Pontes durante coletiva realizada nesta sexta-feira, 26. De acordo com o ministro, a vacina é desenvolvida pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, em São Paulo, e foi nomeada de “Versamune®️-CoV-2FC”. O anúncio foi feito horas após o governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB) divulgar que irá solicitar autorização para o início dos destes da Butanvac, imunizante produzido pelo Instituto Butantan. Ao falar sobre o tema, Pontes disse que trata-se de uma “coincidência”. “No meu ponto de vista, não tem nada a ver um ponto com o outro”, afirmou. A Anvisa emitiu nota confirmando o recebimento do pedido dos testes clínicos e reafirmou que a análise irá levar em conta “a proposta do estudo, o número de participantes e os dados de segurança obtidos até o momento nos estudos pré-clínicos”.

Segundo Pontes, o governo investiu em 15 protocolos de pesquisa visando o desenvolvimento de um imunizante contra a Covid-19. O ministro explicou que três vacinas em desenvolvimento avançaram nos testes em animais e que, com isso, a pasta foi atrás de recursos para apoiar a realização de testes clínicos. Entretanto, o chefe da pasta ressaltou que, por conta do final do ano, a busca por recursos não deu certo e que só houve avanço em fevereiro. “Em fevereiro, uma dessas vacinas se adiantou bastante com a Anvisa, então eu busquei, dentro do próprio ministério, recursos, inclusive de outros projetos, para poder apoiar pelo menos uma delas nos testes clínicos, fase 1 e 2. E a boa notícia é que uma dessas vacinas já tem um protocolo na Anvisa já registrado”, afirmou.

Recém-empossado como ministro da Saúde, Marcelo Queiroga também participou da coletiva, dizendo que o Brasil já acertou a aquisição de mais de 500 milhões de doses da vacina, mas reconheceu que a capacidade de imunização está abaixo do ideal. “O importante é vacinar a população brasileira. PNI mostre toda a sua força, esse é o desejo do governo. Já tem acertado mais de 500 milhões de doses, embora a nossa proporção de capacidade de vacinar, não estamos vacinando como queremos. Nos comprometemos que no começo de abril teríamos 1 milhão de doses aplicadas por dia. Quero ratificar o que pontes tem dito do compromisso do governo com a pesquisa, através do CNPQ, insumos estratégicos do ministério da saúde, parceria com a iniciativa privada, a indústria farmacêutica”, disse Queiroga.