O jornalista Oswaldo Eustáquio afirmou, em depoimento ao Ministério Público do Distrito Federal, que foi vítima de tortura dentro do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília. A informação e o vídeo com as declarações foram divulgadas pelo site Metrópoles. De acordo com a publicação, Eustáquio disse ter sido espancado por policiais penais no dia 18 de dezembro, data em que foi detido após decisão do ministro do STF, Alexandre de Moraes. “Um deles me deu uma chave de braço, pegando pela mão, torcendo, colocou para cá. E o outro pegou pra cá. Começou dois policiais a torcerem minha mão. Um terceiro veio e começou a me enforcar, não com o braço, mas com a tonfa. Eu não sabia onde sentir a dor e eu perdi o ar.”

Eustáquio disse ter discutido com um agente penal depois que ele o chamou de “animal” por não ter comido o jantar. Com isso, teria sido informado que seria castigado e toda a ala em que estava ficaria sem acesso ao banho de sol. “E é uma dor que eu não consigo expressar porque vai misturando as dores, é uma coisa descomunal. Eu tava sem camiseta, todo machucado, com muitas marcas no corpo. Uma delas eu carrego até hoje porque não sei se o meu osso ou alguma coisa saiu do lugar.” O jornalista disse que não passou por exame de corpo de delito, o que evidenciaria as agressões que teria sofrido. O depoimento dado ao Ministério Público ocorreu após denúncia recebida pela Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos. Atualmente, Eustáquio cumpre pena em regime domiciliar.

*Com informações do repórter Fernando Martins