Em conversa com jornalistas na tarde desta terça-feira, 10, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou que não deve voltar atrás com a decisão de retirar todas as tropas norte-americanas do Afeganistão até o 11 de setembro, mesmo com o avanço rápido das forças do Talibã, que já tomaram sete capitais provinciais do país em menos de uma semana, causando uma fuga em massa de moradores e preocupação nacional. “Gastamos trilhões de dólares por quase 20 anos, treinamos e demos equipamentos modernos para mais de 300 mil forças afegãs. Os líderes do país precisam se unir. Nós perdemos milhares de norte-americanos. Eles têm que lutar por eles mesmos, lutar pela nação deles. Os EUA, eu insisto, continuarão a cumprir com os compromissos que foram feitos, dando suporte aéreo, tendo certeza de que a força aérea deles está funcionando, dando equipamento, comida e pagando o salário deles. Mas eles precisam querer lutar”, declarou o presidente após ser questionado sobre a possibilidade das tropas do país estrangeiro não conseguirem se defender sozinhas.

Biden disse, ainda, que não se arrepende da decisão de retirar as tropas do local. Até o momento, mais de 95% das equipes já deixaram o território afegão. As áreas rurais do país, inclusive, em algumas fronteiras com o Irã, foram tomadas pelos rebeldes, que, na maior parte das vezes, não tiveram qualquer dificuldade nas ocupações. Segundo o Ministério da Defesa, operações foram realizadas em 12 províncias diferentes e terminaram com mais de 360 insurgentes mortos nas últimas 24 horas. Algumas cidades estão cercadas e podem ser tomadas nos próximos dias. A fuga em massa faz com que milhares de pessoas vindas de outras cidades se aglomerem em praças e ruas da capital Cabul.